Tecnologia

SERVIÇOS DE STREAMING DE MÚSICA SEGUEM CRESCENDO NOS EUA EM 2017

Publicado dia 06/07/2017 às 08h42min
O consumo de música em geral – somando Streaming, downloads e vendas físicas em lojas – aumentou 9,9% em relação ao mesmo período do ano anterior

     

     O consumo de música por streaming segue em franca expansão nos Estados Unidos, onde cresceu 10% desde o começo de 2017, informou nesta quarta-feira (5) uma consultoria especializada.

 

 

Em um informe sobre os seis primeiros meses de 2017, a BuzzAngle Music indica que, a cada semana, uma média de 10,8 bilhões de músicas foram escutadas via streaming. No ano passado, nesse mesmo período, o número não passava de 10 bilhões.

Por causa do sucesso desse serviço, dois importantes formatos estão perdendo adeptos: os downloads em plataformas como iTunes caíram 25% na primeira metade de 2017, e a venda de CDs, 3,9%.

Os vinis, que voltaram à moda, venderam 20% a mais no primeiro semestre deste ano.

Música em alta

O consumo de música em geral – somando streaming, downloads e vendas físicas em lojas – aumentou 9,9% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Mas, graças ao streaming, que permite aos usuários escutar música online e de forma ilimitada, a indústria vive um bom período de expansão dos investimentos, após duas décadas de estagnação ou retrocesso.

As assinaturas de serviços pagos como Spotify, Apple Music e Tidal já representam 78,6% da música escutada em streamings.

Em um informe sobre os seis primeiros meses de 2017, a BuzzAngle Music indica que, a cada semana, uma média de 10,8 bilhões de músicas foram escutadas via streaming. No ano passado, nesse mesmo período, o número não passava de 10 bilhões.

Por causa do sucesso desse serviço, dois importantes formatos estão perdendo adeptos: os downloads em plataformas como iTunes caíram 25% na primeira metade de 2017, e a venda de CDs, 3,9%.

Os vinis, que voltaram à moda, venderam 20% a mais no primeiro semestre deste ano.

Música em alta

O consumo de música em geral – somando streaming, downloads e vendas físicas em lojas – aumentou 9,9% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Mas, graças ao streaming, que permite aos usuários escutar música online e de forma ilimitada, a indústria vive um bom período de expansão dos investimentos, após duas décadas de estagnação ou retrocesso.

As assinaturas de serviços pagos como Spotify, Apple Music e Tidal já representam 78,6% da música escutada em streamings.

 

 

Fonte: G1 globo